Consulta pública sobre transtorno de PAC será discutida no próximo EIA

Realizada entre 7 de novembro e 5 de dezembro de 2016, a pesquisa foi promovida pela Academia Brasileira de Audiologia, para buscar a opinião dos seus associados sobre os métodos de avaliação que podem ser utilizados para diagnosticar o transtorno de processamento auditivo central (PAC), segundo a idade do paciente considerado. O assunto interessa aos profissionais da área de amplificação e reabilitação, pois o transtorno de PAC constitui um freio para a adaptação de tecnologias auditivas.

A consulta seguiu uma conversa iniciada no Fórum Diagnóstico Audiológico, do último Encontro Internacional de Audiologia, em relação às dificuldades de se avaliar a população infantil de até sete anos. Para a Dra. Liliane Desgualdo, uma das coordenadoras do fórum, “o principal desafio com este público é conseguir diferenciar um atraso no desenvolvimento infantil de um transtorno de processamento auditivo central”.

Do total de participantes da consulta, apenas 48% dos respondentes “aprovaram totalmente” a afirmação de que, “em crianças com faixas etárias inferiores a sete anos de idade deve-se considerar as alterações encontradas em testes comportamentais e/ou eletrofisiológicos como sendo Transtorno do Processamento Auditivo Central, desde que o resultado da avaliação seja reforçado pelo histórico da criança e pela observação do Fonoaudiólogo”; sendo que 24% e 28%, respectivamente, discordaram e discordaram parcialmente.

Uma vez que se trata de uma primeira consulta à comunidade de fonoaudiólogos, e que houve o despertar para o assunto, entendemos a falta de acordo”, justifica a coordenadora do fórum do EIA, que salienta a recente alteração de denominação da condição no País: “No Brasil, a ideia de se utilizar a expressão Transtorno de Processamento Auditivo Central foi consenso apenas em 2015; antes disso, o diagnóstico era dado como disfunção, desordem, distúrbio, ou ainda alteração de habilidades, nomes que minimizavam o impacto social dessa perturbação”.

Saiba mais e altere os parâmetros.">