AASI: Parte do processamento do sinal “terceirizado” para o celular?

Audicus

A partir da década de 2000, com base no desenvolvimento de aplicativos, o celular se tornou um parceiro dos aparelhos auditivos, permitindo que o paciente faça certas regulagens por meio de alguns toques no seu telefone. Desde então, outras opções de aproveitamento do celular vêm surgindo.

Como lembrou a Audiology Infos na sua edição 39, as potencialidades do campo da saúde móvel possibilitam fazer do próprio celular um aparelho auditivo, por meio de softwares completos de amplificação sonora. O celular amplificador sonoro tem potencial para se tornar uma opção complementar ao uso tradicional de AASI, mas, ainda precisa encontrar um modelo de negócio.

Uma outra opção é o aproveitamento de plataformas de smartphones para realizar parte do processamento de sinal, como mostra, por exemplo, uma recente publicação do Institute of Electrical and Electronics Engineers, descrevendo um algoritmo de redução de ruído rodado em tempo real pelo sistema operacional Android.

A filosofia por trás dessa abordagem é “terceirizar” parte da tarefa para o celular – no caso o redutor de ruído –, aproveitando sua maior capacidade de processamento e seus dois microfones. Além de implementar a redução de ruído, o telefone possibilita, graças à distância entre seus dois microfones, a produção de um sinal pré-processado menos afetado por microfonia.

Ao contrário dos softwares de amplificação sonora, que precisam apenas de smartphones, essa solução potencial não dispensa o AASI, ao qual o sinal pré-processado é encaminhado por meio da conectividade.

O futuro dirá se os fabricantes de AASI poderiam “comprar” essa ideia e tirar parte do processamento de sinal dos seus aparelhos.

Fonte : Smartphone-based real-time speech enhancement for improving hearing aids speech perception. Conf Proc IEEE Eng Med Biol Soc. 2016 Aug;2016:5885-5888. Rao et al..

Saiba mais e altere os parâmetros.">