Projeto vai inserir estratégias do “Dangerous Decibels” no Programa Saúde na Escola

Julie McGuire

Idealizado pela otorrinolaringologista Lys Gondim no âmbito de um projeto de doutorado pela Universidade Tuiuti do Paraná, o empreendimento tem como objetivo implantar e avaliar ações educativas visando, a partir de 2018, a promoção da saúde auditiva em crianças e jovens das 42 escolas municipais de Itajaí (SC).

As ações serão baseadas nos princípios do programa Dangerous Decibels Brasil e buscarão, entre várias metas, incentivar a troca de experiências, opiniões e reflexões entre as crianças e os jovens sobre as implicações, em termos de saúde auditiva, da exposição a níveis elevados de pressão sonora, possibilitar sua participação ativa nas ações, e proporcionar a multiplicação do conhecimento sobre o assunto.

Em setembro de 2016, a Dra. Lys Gondim esteve entre os primeiros tutores capacitados no Brasil a aplicar as estratégias do programa Dangerous Decibels, desenvolvidas no final dos anos 1990, nos Estados Unidos, para reduzir os riscos de perda auditiva induzida por níveis elevados de pressão sonora em populações jovens. A médica tem grande interesse no tema da conscientização do público jovem, e, recentemente, criou o “EducaSOM – Decibéis do Bem”, um programa educativo em saúde auditiva, baseado nas práticas culturais de lazer vinculadas ao som e à música de jovens de escolas públicas e particulares de Itajaí.

Um aspecto importante desta nova iniciativa é que ela será inserida no Programa Saúde na Escola (PSE), uma política intersetorial da Saúde e da Educação instituída no Brasil em 2007 com o objetivo de contribuir para a formação integral dos estudantes por meio de ações de promoção, prevenção e atenção à saúde. Essa integração foi permitida pela Portaria Interministerial no.1.055, de 25 de abril de 2017, que prevê a ampliação das ações a serem realizadas no âmbito do PSE, incluindo a promoção da saúde auditiva, e não somente a triagem e a avaliação auditiva, previstas no decreto que instituiu o PSE em 2007.

Com cronograma ainda a ser definido, as atividades devem se iniciar durante o primeiro semestre de 2018. A ideia é mantê-las para os próximos anos, ou seja, fazer com que elas se tornem duradouras. “Esse trabalho, para além do doutorado, pretende 'abrir portas' para a saúde auditiva na escola e mostrar sua relevância cada vez maior nos dias atuais! ”, salienta Lys Gondim.